Notícias

Comissão da mulher visita nova delegada e parabeniza pela implementação da Deam 24h no Tocantins.

18/09/2019 17h22 - Atualizado em 18/09/2019 17h33

Via ASCOM OAB/TO
(Por Dani Braga)

A Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Tocantins realizou visita de cortesia à nova Delegada Geral da Polícia Civil no Tocantins, Raimunda Bezerra de Sousa. Durante o encontro, as advogadas colocaram a Ordem à disposição para realizar trabalhos conjuntos voltados ao fortalecimento da rede de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica.

As advogadas representantes da OAB/TO comemoraram a divulgação em diário oficial da portaria N° 889 da Secretaria de Segurança Pública que garantiu efetivo para o funcionamento da Delegacia da Mulher em Palmas. A implantação total deve ser efetivada em outubro deste ano e contou com o apoio da CMA da OAB/TO para se tornar realidade.

As membras destacaram que o Secretário de Segurança Pública Estadual, Cristiano Barbosa Sampaio, reconheceu a importância do tema, e deu o primeiro passo, que sem duvidas é uma grande conquista para toda a sociedade.

Durante a reunião, as membras da CMA da OAB/TO ainda ressaltaram a importância de ver mulheres tendo a sua competência reconhecida e ocupando espaços estratégicos na área de segurança pública.

“O Tocantins é um dos três Estados no Brasil que tem uma mulher ocupando o cargo de Delegada Geral da Polícia Civil. Encontramos aqui uma parceira sensível à implantação da DEAM 24 horas em Palmas, um grande avanço em defesa das mulheres vítimas de violência no Tocantins. Com um passo de cada vez, vamos trabalhar junto ao poder público e às outras entidades representantes da sociedade civil para fortalecer essa luta”, defendeu a presidente da CMA da OAB/TO, Jandra de Paula.
A representante do poder público também demonstrou satisfação com o início dessa parceria. “Fiquei feliz com a visita da comissão da mulher advogada da OAB/TO porque é bom ter aliados, principalmente em defesa do bem, em defesa das pessoas vulneráveis. As mulheres vítimas de violência familiar e doméstica precisam de nossa colaboração. Quando uma ou mais mulheres trabalham em favor de uma causa o resultado vem logo”, ressaltou Raimunda Bezerra.